quarta-feira, 27 de abril de 2011

"Siddhartha" de Hermann Hesse [Opinião]


Não vale a pena estar a fabricar uma opinião sobre este livro.
Estas palavras falarão por si:

"Avançou reflectindo, cada vez mais devagar, e perguntou a si mesmo: «Mas o que era isso que querias aprender com doutrinas e com mestres e que eles, que tanto te ensinaram, não te podiam ensinar?» E compreendeu: «Era o Eu, cujo sentido e natureza eu queria conhecer. Era o Eu, de que eu queria libertar-me, que eu queria vencer. Mas não fui capaz de o vencer, apenas de o enganar, de fugir dele, esconder-me dele. Na verdade, nada no mundo ocupou tanto os meus pensamentos como este Eu, este enigma, o facto de eu estar vivo, de existir separado e isolado dos outros, de ser Siddhartha! E sobre nada no mundo sei tão pouco como sobre mim próprio, sobre Siddhartha!»"

"- Ah, o samana é forte e nada teme. Ele podia forçar-te, bela jovem. Podia roubar-te. Podia magoar-te.
 - Não, samana, não tenho medo. Alguma vez um samana ou um brâmane receou que alguém o atacasse e lhe roubasse a sua sabedoria, a sua religiosidade e o seu pensamento? Não, porque essas coisas só a ele lhe pertencem e ele só as partilha quando quer e com quem quer. Assim é, e também assim é com Kamala e com as alegrias do amor. A boca de Kamala é bela e vermelha, mas se tentares beijá-la contra a vontade de Kamala não receberás uma gota sequer de toda a doçura que ela contém! Tu és um aluno aplicado. Siddhartha, por isso aprende isto: podes mendigar amor, comprá-lo, recebê-lo de oferta, encontrá-lo na rua, mas nunca roubá-lo. Imaginaste um caminho errado e seria uma pena se um belo jovem como tu tão mal o compreendesse."

"Ele, que no amor era ainda uma criança, com tendência para se atirar cega e sofregamente para o prazer sem dar prazer e que cada gesto, cada carícia, cada contacto, cada olhar, todos os ínfimos recantos do corpo têm o seu segredo, que podem dar a felicidade àquele que o sabe despertar. Ela ensinou-lhe que os amantes não se devem separar, depois do festim do amor, sem se admirarem mutuamente, sem serem conquistados ou conquistarem, para que nenhum deles sinta tédio ou solidão e para evitar a desagradável sensação de terem maltratado ou terem sido maltratados."

"E no entanto este caminho foi muito bom, e no entanto a ave que habita no meu peito não morreu. Mas que caminho foi este! Fui obrigado a cometer tantos erros, tantos pecados, tantas loucuras, a enfrentar tanta miséria e desilusão e sofrimento, para voltar a ser uma criança e poder recomeçar. Mas foi o caminho certo, o meu coração concorda, os meus olhos sorriem-lhe. Tive de sobreviver ao desespero, tive de descer ao pensamento mais insensato, à ideia de suicídio, para poder experimentar a misericórdia, para aceitar novamente o Om, para poder voltar a dormir bem e acordar bem. Tive de ser louco para redescobrir Atman em mim. Tive de pecar para poder voltar a viver. Para onde me conduzirá ainda o meu caminho? É um caminho louco, anda às curvas, anda talvez em círculos. Que vá por onde quiser, eu segui-lo-ei."

"- Quando alguém procura - respondeu Siddhartha - pode acontecer que os seus olhos vejam apenas a coisa que ele procura, que não permitam que ele a encontre porque ele pensa sempre e apenas naquilo que procura, porque ele tem um objectivo, porque está possuído por esse objectivo. Mas encontrar significa ser livre, manter-se aberto, não ter objectivos. Tu, Venerável, és talvez um homem à procura, pois, perseguindo o teu objectivo, muitas vezes não vês aquilo que está perante os teus olhos."

Para adquirir:

domingo, 24 de abril de 2011

Cansada...


Estou tão velha e cansada...

Tenho em mim as tristezas de mil vidas
Que não me deixam gozar
E nem tão pouco sorrir.

Tenho em mim as desilusões de mil almas
Que me fazem chorar
E nunca parar de questionar.

Tenho em mim o peso de mil anos
Que me está a oprimir
E não me deixa respirar!
 
Estou tão velha e cansada,
e, nem assim, paro de procurar...

Onde está
    A juventude que me foge,
O amor por quem me ama,
A felicidade que teima em não ficar?

Oh, eu bem sei,
Que nunca vou deixar de procurar!

sábado, 23 de abril de 2011

sexta-feira, 22 de abril de 2011

José e Pilar


Se há amores que perduram além da morte, este é um deles.


Um filme tocante que acompanha dois dos últimos anos de vida de José Saramago. 

Dos melhores filmes que vi,  este é o retrato das duas metades que formam uma só vontade: José Saramago e Pilar del Río.   

Nele observamos o dia-a-dia do escritor, vencedor do prémio Nobel da Literatura, e da presidenta da sua fundação, a sua esposa e o seu pilar. Possuidores de caracteres vincados e polémicos, são companheiros, literalmente: Pilar apoia José no seu destino, o de ser escritor, e José só com Pilar a seu lado é feliz, e nem a diferença de idades o impede. São vários os momentos em que o sorriso nos aflora aos lábios: irónicos e sagazes, não deixam passar nem sequer uma oportunidade de fazerem um comentário não muito politicamente correcto. 

O mundo literário é apresentado de uma forma nua e crua: desde o processo de criação à tradução - neste caso do livro A Viagem do Elefante - , ao relacionamento com os leitores e a comunicação social, além dos inúmeros compromissos que surgem a um escritor laureado pelo prémio Nobel, nada é deixado de lado.
Sinceros, fortes, idealistas, são uma fonte de inspiração para qualquer um. Daí que tenha adorado o filme: ultimamente bem tenho precisado de exemplos inspiradores. E, mais do que nunca, a minha convicção de que almas assim nunca deviam partir de entre nós saiu reforçada. 

Assim, José e Pilar é:  óptimo para quem é fascinado pelo mundo literário; ainda melhor para quem é fã do escritor e da sua obra e essencial para quem acredita nos poderes da perseverança e do amor enquanto realizadores de tudo aquilo que desejamos alcançar.

O documentário completo, disponibilizado pelo realizador Miguel Gonçalves Mendes:

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Dia Mundial do Livro

Eu vou!  

Amanhã, na Biblioteca Municipal José Saramago, em Beja.

18h30 Sessão para pais e filhos com Jorge Serafim, no sector infantil. | 18h30 Exibição do filme "José e Pilar", comentado pelo realizador Miguel Gonçalves Mendes, no auditório. | 19h30 "À mesa com escritores" Jantar literário na Biblioteca, inscrições no balcão da biblioteca, no sector de adultos. | 21h30 Espectáculo "À volta da língua" da Associação Andante (Cristina Paiva e Fernando Ladeira), no auditório. | 0h00 Serão de contos com Jorge Serafim, na cafetaria.

Durante o dia
Lançamento oficial da página institucional da Biblioteca | Lançamento oficial do catálogo online da Biblioteca | Exposição "Outras leituras - um olhar sobre 4 escritores portugueses" de António de Lemos Viana, no Sector de Periódicos

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Crónica de um internamento

( via Elise Fr


A luz que perpassa as janelas gradeadas. 
Os enfermeiros que não param de passar. 
As pessoas que não conheço e não me inspiram confiança. 
O cheiro dos detergentes que nem sequer disfarça o que devia eliminar.

 A certeza de estar num mundo completamente à parte.


O primeiro dia

Depois de uma noite dormida junto de pessoas a quem nem vi a cara, levam-me na ambulância para um grande edifício. É o único de um cor-de-rosa pálido e deslavado... Será, simplesmente, uma coincidência?

Levam-me até ao meu quarto. Pelo caminho apoio-me nas paredes dos corredores, sempre com mais medo de cair do que não me levantar mais. Passo a passo, vejo-os amplos e plenamente inundados pela luz que perpassa as janelas gradeadas, essa luz que me cega e hostiliza. É o efeito das drogas que circula em mim, as que tomei na apoteose do vazio.

Caras curiosas espreitam-me.

Até que não é mau estar aqui. Sinto-me aliviada por esta não ser a mesma vidinha de sempre. Só que estou tão cansada... Quero ir sentar-me, dormir, não consigo mais estar assim, a ter de andar de um lado para o outro. Sinto-me enjaulada.

Não admira. Olha para as janelas.

Os enfermeiros falam comigo, explicam-me os horários e as regras. Sim, regras. Porque no meio da loucura, a voz da razão ainda se faz ouvir.



Os outros dias

Onde estão os meus livros? Tragam-me livros, não consigo estar sem fazer nada...

Acordo, dia sim, dia não, às 7h da manhã. É preciso tomar banho e não gosto da confusão, dos olhares, do barulho. Assim gozo a impunidade do silêncio, porque tenho a certeza de que ele não me vai julgar pelo meu corpo fraco, que ainda deixa cair tudo pelo chão.

Ainda não tenho cacifo. Por isso, guardo tudo bem escondido na mesa-de-cabeceira. Não que seja obstáculo a quem queira roubar seja o que for mas, talvez, o barulho até me acorde e, quem sabe, eu apanhe o ladrão! Doce ilusão... 

Pequeno-almoço, almoço, lanche, jantar, ceia. Sempre à mesma hora, às vezes com alguns minutos de atraso. Oh, odeio tanto os atrasos! Porém, comemos, num destes raros momentos em que a necessidade supera até a loucura. Os que não respondem à chamada são procurados e, se por mero acaso, não fazem de conta que tudo está bem, os comprimidos, os braços e as agulhas esperam-nos. 

Há quem não aguente e chore. Falo das mulheres, porque cada sexo tem a sua sala de jantar, não se fosse ali mesmo começar uma revolução e desatássemos todos a fornicar! Pois se malucos de várias estirpes - esquizofrénicos, deprimidos, neuróticos, histéricos, dementes - estão todos ao molho e fé em deus - ou  fé nos enfermeiros que sempre nos vigiam -, por que raios não podem homens e mulheres estar juntos à hora das refeições? Provavelmente por um critério como qualquer outro: para evitar que uma multidão de loucos se junte. Não que isto seja importante. Apenas implico com tudo. É normal de quem não está feliz, julgo eu.

O silêncio é a melhor arma. Entre nós, quem não diz palavra, é rei. Não que eu tenha alguma coisa a dizer, quero é que me deixem em paz... 

Às vezes é que as injustiças são de mais. Pois por que razão está aquela idosa, demente já, obrigada a sentar-se num sofá onde nem uma almofada tem? Porquê? Porque não se podem abrir os quartos ou os meninos já não vão à ceia. São precisos dias e uma queda da cama para que a pobre possa ser uma excepção. 

Voltando ao silêncio, os que se calam é que ganham. Óbvio. Óbvio, igualmente, que não são poucos os que falam apenas para dizerem nulidades. Para gritarem. Serem agressivos. Reclamarem atenção. 

Como o miúdo ou a histérica, que nunca mais daqui devem sair. 
Como aquele que não toma banho e vem sempre, sempre pedir-me cigarros, mesmo sabendo que não fumo.
Como aquela que clama pelos filhos. 
Como aquele que, como eu, está sempre a ler. 
Mas não como aquelas mulheres tão desanimadas. Até a mim dão pena... Que ironia.

Gosto de ir para a entrada. Inspiro o ar fresco quando a porta se abre. Posso sair, mas não o faço. Espero que me venham ver ou que o telefone toque. E tenho ao colo o meu livro. Sim, porque os doidos também lêem. Eu e mais dois, pelo menos. E eu leio, quem diria, o Dom Quixote... 

Meu querido, dirias tu que és o salvador da minha consciência?


O último dia

Os enfermeiros gostam de mim. Os auxiliares também. Pudera, sou a menina mais nova que aqui anda, a mais bem comportada, aquela a quem mal ouviram a voz. Só eu ainda não gosto de mim.

Com um sorriso no rosto e miríades de esperanças a nascer em mim, faço as malas. Todos dizem que o meu lugar não é aqui. Eu sei que não, não sei é qual será, lá fora. 

Despeço-me. 

Adeus, miúdo, desculpa por te acordar. 
Adeus, ó histérica! Aquela força inspira-me.
O que fuma? Não merece sequer o meu olhar. 
Adeus, flor. Não chores mais pelos teus filhos.  
Adeus, leitor. Ainda nem percebi o que fazes aqui...
E as mulheres? Delas também me despeço, olhando-as atentamente. Porque, afinal, também podia ser uma delas.  

E agora? Agora sobrevivi. E parto para não mais voltar.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

"Cândido" de Voltaire [Opinião]

Título Original: Candide
Autor: Voltaire
1.ª publicação: 1759   
Colecção: Novis - Biblioteca Visão #9
Editora: Abril / Controljornal  
Temática: Romance
ISBN: 9726116015
N.º de páginas: 126
Para adquirir (outra edição da obra):


Sinopse: 

"Cândido é um jovem criado por Pangloss, seu preceptor, que lhe dá da vida a visão optimista de que todos vivem no melhor dos mundos. Mas após várias atribulações, Cândido desencanta-se, desacreditando-se da tese do seu mestre. Esta alegoria irónica é um pretexto para Voltaire denunciar as diferenças sociais, os idealismos exacerbados e a corrupção, monstro que ainda hoje consome as sociedades."

Opinião:

Voltaire (1694-1778), proeminente figura do Iluminismo, conta-nos, neste pequeno livro, a história de Cândido, um jovem alemão e muito, mesmo muito optimista. E por que razão é ele assim? Porque o seu mestre, o filósofo Pangloss, desde sempre lhe fez crer "que o que existe não pode ser diferente; porque, tendo tudo sido criado para um fim, tudo é necessariamente para o melhor dos fins. [...] Porque os porcos foram criados para serem comidos, nós comemos porcos todo o ano. Por consequência, quem afirma que tudo está bem diz apenas uma asneira. É preciso afirmar que tudo vai pelo melhor".

Deste modo, Cândido, após perder o seu lar, cai numa vida errante marcada por duas constantes: o seu amor inquebrantável pela menina Cunegundes e uma sucessão de desgraças e ocorrências maravilhosas, mas efémeras.

Passou pela Bulgária, a Lisboa de 1755, assolada nesse momento pelo terramoto, Cádis, Paraguai, El Dorado, enfim, um verdadeiro roteiro de viagens exóticas e, no mínimo, curiosas e estranhas...

Praticamente quase todas as personagens apresentadas são representantes de tipos que, certamente, pupulavam a sociedade europeia contemporânea de Voltaire, e com características que, infelizmente, todos nós conhecemos. Assim, posso destacar:
  • A inquisição, que fazia aquilo que muito bem sabemos, e que o fazia pelas mais pérfidas e vis razões: poder, conivência, corrupção, para além da luxúria que o inquisidor revela...;
  • O ladrão que rouba os cadáveres espalhados pelas ruas de Lisboa;
  •  O papel das mulheres, escravas, traficadas e exploradas pelos endinheirados;
  • A ganância que até o inocente Cândido revela pelas riquezas do El Dorado;
  • Os judeus que, com a sua ganância, roubaram, e roubaram, e roubaram Cândido até à penúria;
  • Martin, o mais desgraçado dos homens - ainda mais do que Cândido - a quem nada demove de que só existe mal no mundo, levando o seu fanatismo ao extremo...;
  •  A inconstância de ideais, causada pela conveniência da altura, que tanto fazia Cândido lutar pelos bons ou pelos maus
  • Entre tantas outras coisas mais ou menos importantes. 

      Nota: Óptimo livro para ler de uma assentada, nem que seja pelo tamanho, pela linguagem simples e pelas tiradas satíricas que preenchem o livro da primeira à última página.

      Classificação: 4,0/5*

      Imagística #1

      quinta-feira, 14 de abril de 2011

      Sorry for not being a Mary Jane

      ( via fanpop )

      Não sou magra, esbelta e ruiva.
      Os meus olhos não são claros.
      E os homens não param à minha passagem.

      Mas se ao menos atentassem...

      Na minha pele pálida e macia.
      No meu cabelo castanho e refulgente.
      Nos meus olhos banais e sinceros.

      No meu perfeccionismo ansioso.
      Na minha anuência submissa.

      Neste corpo que se recusa a ser o meu,
      Nesta alma que tende a fugir,
      Neste espírito que está sempre a gritar.

      Mas sou eu.
      Sou mesmo assim.
      E sei que hão-de gostar de mim,
      Pois sou única em cada imperfeição.