segunda-feira, 30 de maio de 2016

Passatempo #1: "Dias Perfeitos" de Raphael Montes [VENCEDOR]

Boa noite a todos.

Em primeiro lugar, quero dizer-vos que fiquei muito satisfeita com o número de participações neste que foi o primeiro passatempo do As Horas… que me preenchem de prazer. Totalizaram-se 36 participantes, sendo que 33 foram validados e 3 excluídos: 

  • 1 participação inválida por link de partilha incorrecto, o que me impossibilitou de conferir se a partilha foi ou não realizada;
  • 2 participações inválidas por apresentarem a mesma morada, quando as regras diziam, explicitamente, que apenas era permitida uma participação por pessoa e por morada.

Assim, tenho o  prazer de anunciar que @ vencedor@ é…


Sílvia Catarina Farinha Pedro

Irei de seguida contactá-la e aguardarei que me confirme a sua morada de modo a proceder ao envio do livro.

Muito obrigada pela participação de todos. E quem não ganhou não desanime, já que estou a preparar uma nova iniciativa a propósito do Dia Mundial da Criança. Estejam atentos! 

domingo, 29 de maio de 2016

Música ao Domingo #3: Bloc Party "The Love Within"



Lord, give me grace and dancing feet
As I conquer all anxiety
The angel told me not to fear
The power tools in me
For I have learnt the way to pray
Like a missile growing tall now
Wind the past into a knot
And let the love consume us
Let the love consume us
Let the love consume us

Can you hear the stars now sing
Resounding in D major?
As the girl vibration resonates
And pulls us up towards her
Take your shoes off, feel the earth
Beneath your feet, respond to touch
And let our laughter now ring forth
As the love consumes us

The love within is moving upwards
Sweeter than any drug
The melody is taking over
Guide my hand through this path
Pull back the veil
Let your eyes meet this world
The love within is moving upwards
So don't you want to get high?
Don't you want to get high?

Don't you want to get high?
Don't you want to get
Don't you want to get high?

The love within is moving upwards
Sweeter than any drug
The melody is taking over
Guide my hand through this path
Pull back the veil
Let your eyes meet this world
The love within is moving upwards
So don't you want to get high?
Don't you want to get high?

sexta-feira, 27 de maio de 2016

"A Árvore das Palavras" de Teolinda Gersão [Opinião]

Título: A Árvore das Palavras
Autora: Teolinda Gersão
Data de edição: 2003 (1.ª publicação: 1997)
Editora: Visão/Dom Quixote
Temática: Romance
N.º de páginas: 159
Para adquirir:


Sinopse:

"Ela estava na margem, olhando. Enquanto a vida, como os barcos à vela, passava ao largo. Era tudo tão visível e concreto que tinha vontade de chorar. Mas se chorasse era pior, sentiu tirando da mala um lenço de papel, era como se o mundo risse dela, os guarda-sóis, as casas, os barcos, as árvores, as pessoas, sobretudo as pessoas rissem dela."

Opinião:

Uma obra dividida em três partes em que se acompanha Gita e os pais, Laureano e Amélia, no primeiro acto; no segundo, a história de vida de Amélia; e o amadurecimento de Gita no terceiro. Gita é apresentada, inicialmente, como uma menina que encontra compreensão no pai e um tremendo sufoco da parte da mãe, pelo seu desejo de liberdade e independência. Os pais possuem prioridades completamente diferentes: enquanto Laureano se satisfaz com uma vida pacata e sem sobressaltos, Amélia mostra-se permanentemente insatisfeita com a sua sorte, invejando todos os que usufruem de um nível de vida superior ao seu e desdenhando os negros, como Lóia, a empregada doméstica. É neste embate de vivências tão diferentes que Gita cresce e se observa como as discriminações e os preconceitos podem condicionar as vidas.

Habilmente conduzido por Teolinda Gersão, o fio narrativo com avanços e recuos e repartido entre as personagens principais, torna a leitura fluída e saborosa. Moçambique surge como pano de fundo e, simultaneamente, como personagem principal, assumindo-se como a homenagem que a autora pretendeu realizar às dádivas de África recebidas.

"O dia não quebrava os sonhos, podia-se dormir de olhos abertos, e a vida era gozosa e fácil como o jogo e o sonho. Podiam-se abrir os braços e gritar: Eu vivo - mas não era necessário esse gesto exultante e excessivo, as coisas eram tão próximas e simples que quase não se reparava nelas. Saía-se por exemplo a porta da cozinha sem se dar conta de transpor um limiar. Não havia separação entre os espaços, nem intervalos a separar os dias. Porque o corpo ligava a terra ao céu".

Classificação: 4,5/5*

Este livro foi autografado pela autora na sua vinda à Biblioteca Municipal de Beja - José Saramago a 8 de Janeiro de 2016.

Sobre a autora: 
Teolinda Gersão nasceu em Coimbra, estudou Germanística, Romanística e Anglística nas Universidades de Coimbra, Tübingen e Berlim, foi Leitora de Português na Universidade Técnica de Berlim, assistente na Faculdade de Letras de Lisboa e depois de provas académicas professora catedrática da Universidade Nova de Lisboa, onde ensinou Literatura Alemã e Literatura Comparada. A partir de 1995 passou a dedicar-se exclusivamente à literatura.

Além da permanência de três anos na Alemanha viveu dois anos em São Paulo, Brasil, e conheceu Moçambique, onde decorre o romance de 1997 A Árvore das Palavras.

Autora sobretudo de romances, publicou até agora duas novelas (Os Teclados e Os Anjos) e duas colectâneas de contos (Histórias de Ver e Andar e A Mulher que prendeu a Chuva).Três dos seus livros foram adaptados ao teatro e encenados em Portugal, Alemanha e Roménia: Os Teclados por Jorge Listopad no Centro Cultural da Belém, 2001; Os Anjos por por João Brites e o grupo O Bando, 2003; A Casa da Cabeça de Cavalo ganhou o Grande Prémio do Festival Internacional de Teatro de Bucareste, Roménia, em 2005, com encenação de Eusebiu Stefanescu. Encenada também na Alemanha por Beatriz de Medeiros Silva e o grupo Os Quasilusos, em 2005.

Foi escritora-residente na Universidade de Berkeley em 2004.

O seu livro mais recente é o romance Passagens (2014).

Vive em Lisboa. Fonte: Teolinda Gersão | Site oficial

quinta-feira, 26 de maio de 2016

XII Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja [Divulgação]


De 27 de Maio a 12 de Junho irá decorrer a 12.ª edição do Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja, um "grande evento com relevo a nível internacional e com grande repercussão europeia". 

Esta edição estreará um novo formato, deixando de se restringir à Casa de Cultura. As exposições, o mercado do livro e demais programação abraçará "o Centro Histórico da cidade e em particular o Largo do Museu Regional".

Podem encontrar toda a programação no site ou na página de Facebook oficiais do Festival. 

E me aguardem, porque será feita a devida «fotorreportagem». 

terça-feira, 24 de maio de 2016

Atenção! A Feira do Livro de Lisboa está a chegar... [Divulgação]

...e a revista Sábado realizou um guia sobre quase tudo o que se refere a sessões de "autógrafos, lançamentos, showcookings, actividades para crianças e restaurantes". Leiam o artigo aqui:

Para mais informações, incluindo o calendário de eventos e os livros do dia, consultar o site oficial da 85.ª Feira do Livro de Lisboa ou a sua página oficial no Facebook.

E recomendo vivamente que provem estes maravilhosos brigadeiros. Já os provei e são uma delícia! Tudo sobre eles aqui:


Por aqui, a visita já está marcada e mal se pode esperar!
( via Giphy )

segunda-feira, 23 de maio de 2016

III Festival Beja Romana: a minha visita

Pelo terceiro ano consecutivo, durante os dias 20, 21 e 22 de Maio, a minha cidade foi palco do festival Beja Romana, em que se recriaram os tempos da grandiosa Pax Julia.

Segundo as palavras da Professora Conceição Lopes, "a cidade de Pax Iulia foi fundada por Augusto, algures entre os anos 25 e 15 do séc. I a.C." e o respectivo "forum localizava-se junto à actual Praça da República, como testemunham as escavações recentemente realizadas nesse local, as quais permitiram a descoberta do maior templo romano conhecido em território nacional". Assim se confirma a riqueza histórica de Beja que, felizmente, vem a ser descoberta pelos bejenses e pelo país com a realização destes eventos.

Nada melhor então do que mostrar alguns dos aspectos que mais gostei na minha visita:

Parte do acampamento militar, com réplicas do armamento usado à época.


Algum artesanato, não especificamente de inspiração romana, mas bastante original.



O palco e um tabernáculo de homenagem a Marte e a Vénus.


Exposição de aves de rapina, demonstração de cavalos, passeios de burro para crianças.
 


E, claro, inúmeros figurantes, entre os quais se encontravam vários habitantes.
 


Uma iniciativa que trouxe uma animação raramente vista no centro histórico da cidade e da qual se espera a repetição nos anos vindouros.

domingo, 22 de maio de 2016

Música ao Domingo #2: Beirut "Elephant Gun"



If I was young, I'd flee this town
I'd bury my dreams underground
As did I, we drink to die, we drink tonight

Far from home, elephant gun
Let's take them down one by one
We'll lay it down, it's not been found, it's not around

Let the seasons begin - when all was right and wrong
Let the seasons begin - take the big king down

Let the seasons begin - when all was right and wrong
Let the seasons begin - take the big king down

And it rips through the silence of our camp at night
And it rips through the night

And it rips through the silence of our camp at night
And it rips through the silence, all that is left is all that I hide

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Promoções #4

Mais uma promoção da Fnac, desta vez entre os dias 18 e 23 de Maio: com 20% de desconto em mais de 8000 títulos e levantamento gratuito em loja. 


quarta-feira, 18 de maio de 2016

"Toda a Luz que Não Podemos Ver" de Anthony Doerr [Opinião]

Titulo: Toda a Luz que Não Podemos Ver
Título original: All the Light We Cannot See
Autor: Anthony Doerr
Edição/reimpressão: 2015
Editora: Editorial Presença
Temática: Ficção histórica
N.º de páginas: 520

Sinopse:

Marie-Laure é uma jovem cega que vive com o pai, o encarregado das chaves do Museu Nacional de História Natural em Paris. Quando as tropas de Hitler ocupam a França, pai e filha refugiam-se na cidade fortificada de Saint-Malo, levando com eles uma joia valiosíssima do museu, que carrega uma maldição. Werner Pfenning é um órfão alemão com um fascínio por rádios, talento que não passou despercebido à temida escola militar da Juventude Hitleriana. Seguindo o exército alemão por uma Europa em guerra, Werner chega a Saint-Malo na véspera do Dia D, onde, inevitavelmente, o seu destino se cruza com o de Marie-Laure, numa comovente combinação de amizade, inocência e humanidade num tempo de ódio e de trevas.

Opinião:

As Grandes Guerras são, e continuarão a ser, uma inesgotável fonte de inspiração para relatos, ficcionados ou reais, que nos permitem assistir a lições de vida (e de valorização da mesma) indescritíveis.

Sem dúvida que as personagens principais, Marie-Laure LeBlanc e Werner Pfennig, em pólos opostos da guerra, nos trazem perspectivas únicas sobre o que foi a 2.ª Guerra Mundial. Porém, a inteligência, a sua perseverança na sobrevivência e o facto de verem e sentirem de forma lúcida a realidade que os rodeava, tornou-os especiais e, instintivamente, reconheceram-se um ao outro como semelhantes. E a alternância de relatos entre as duas personagens permitem-nos acompanhar o seu sofrido percurso com ânsia e preocupação.

Todas as outras personagens - Daniel LeBlanc, o pai de Marie-Laure, e o seu tio-avô Étienne, Jutta, irmã de Werner, Madame Manec, Von Rumpel, Frederick, e tantas outras - apesar de completamente diferentes, expõe uma galeria de quase todas as facetas da espécie humana, transmitindo-me mensagens significantes enquanto leitora.

Não a encarei enquanto leitura compulsiva - aliás, saborear foi a palavra-chave. Foi mesmo bastante pausada, degustada, com a calma necessária para imaginar o que seria não ver e desfrutar dos restantes sentidos, ou não conhecer a música vinda de um rádio e, pela primeira vez, ouvi-la e fazer dos sons o centro da minha vida. O mar que Marie-Laure descobriu teve um eco profundo em mim.
Compreendo as críticas dirigidas ao parco encontro de Marie-Laure e Werner, porém, mais do que esse encontro, considero que o percurso até ele é absolutamente mais relevante, tal como as suas consequências.

Concluo, reflectindo que as guerras, de dimensões bíblicas ou territoriais, continuam a ser uma tragédia, já que impossibilitam milhões de continuarem a abrir os olhos e de verem "tudo o que conseguirem ver antes que se fechem para sempre". Esta será uma história que, espero, perdurará na minha memória por muito e muito tempo, e sobre a qual não poderia deixar de escrever.

Classificação: 5,0/5*

Sobre o autor:

Anthony Doerr nasceu em Cleveland, no Ohio em 1973. Vive com a mulher e os dois filhos em Boise, no Idaho. Publicou os livros de contos - The Shell Collector (2002) e Memory Wall (2010), uma autobiografia Four Seasons in Rome (2007) e dois romances, About Grace (2004) e Toda a Luz que não Podemos Ver, que foi finalista do National Book Award em 2014 e bestseller número 1 do New York Times. Anthony Doerr já foi galardoado com vários prémios, tanto nos Estados Unidos como noutros países: quatro O. Henry Prizes, três Pushcart Prizes, dois Pacific Northwest Book Awards, três Ohioana Book Awards, Barnes & Noble Discover Prize, Rome Prize, New Yorker Public Library’s Young Lions Award, Guggenheim Fellowship, NEA Fellowship, National Magazine Award para ficção. Em 2010, recebeu o Story Prize, um dos mais prestigiados prémios nos Estados Unidos e o Sunday Times EFG Short Story Award. Em 2007 a revista literária Granta considerou Anthony Doerr um dos melhores jovens romancistas americanos.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Festa do Cinema [Divulgação]

Começa hoje a Festa do Cinema! Nos dias 16, 17 e 18 de Maio, em todas as salas de cinema portuguesa os bilhetes estarão apenas a € 2,50. Tendo em conta os preços praticados habitualmente, é de aproveitar, sobretudo para quem não visita um cinema há algum tempo. Mais informação aqui: http://www.festadocinema.pt/


domingo, 15 de maio de 2016

Música ao Domingo #1: David Fonseca "Hoje eu não sou"



Abre os olhos são 6 da tarde do dia que já passou,
acordei dentro de um corpo dormente tal e qual ao que se deitou,
hoje eu não sou
transparente tão ausente já esqueci tudo o que lembrei,
hoje eu não sou
quase nada, alma apagada e tenho tanto que ainda não tem,
saio de casa passo apressado mas não sei bem para onde vou,
sigo a calçada mas está desfocada tanta gente que aqui já passou
hoje eu não sou
quase morto, controlo remoto, sou boneco à tua mercê,
hoje eu não sou
de joelhos bola de espelhos dá-me luz mas nunca me vê,
hoje eu não sou
hoje eu não estou
sou um fantasma de um desejo
sou só uma boca sem o teu beijo
hoje eu não sou
hoje eu não estou
sou uma chaga sempre aberta,
e o teu abraço só me aperta onde eu não sou,
ponho dois pratos na mesa um retrato em que sorris para quem o tirou,
faço as perguntas, dou as respostas tu já foste eu ainda aqui estou,
hoje eu não sou
já deitado farol apagado, quarto escuro não sei de quem,
hoje eu não sou
uma prece só reconhece a tua voz e a de mais ninguém,
hoje eu não sou
hoje eu não estou
sou um fantasma de um desejo
sou só uma boca sem o teu beijo
hoje eu não sou
hoje eu não estou
...
onde estás no escuro eu não te vejo

tudo me faz lembrar de ti mas não te tenho

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Mil e uma Noites Mil e uma Histórias - HISTÓRIAS DE TANTOS LUGARES com Maria Clara Cavalcanti

Ontem à noite, uma vez mais marquei presença na Biblioteca Municipal de Beja - José Saramago para mais uma noite de contos, desta vez com a presença de Maria Clara Cavalcanti, excelente narradora brasileira.


Foi uma hora e pouco num serão bem passado, em que Maria Clara contou histórias que desconhecia e outras que conhecia da tradição portuguesa, mas com adaptações notórias à cultura brasileira. Aliás, foi referido pela própria que, ao longo das suas pesquisas sobre contos de todo o mundo, encontrou o mesmo conto em diferentes regiões do mundo com as respectivas adaptações à sua origem geográfica. Por exemplo, existe a Cinderela africana, ajudada por um sapo, ou uma Cinderela japonesa, neste caso auxiliada por um peixe. Curioso ainda como, uma tribo índia de Goiás tinha uma história tão semelhante a O Príncipe com Orelhas de BurroJuca Sára tem Orelhas de Maracajá.


O Mil e Uma Noites, Mil e Uma Histórias é uma iniciativa organizada pela Biblioteca Municipal de Beja - José Saramago, realizada há vários anos e, devido aos profissionais que nela trabalham, Beja tem uma forte tradição de narração oral com o seu expoente máximo no evento Palavras Andarilhas.  Brevemente falarei nele, uma vez que se vai realizar este ano. 

E na vossa região, também têm a sorte de a biblioteca organizar eventos como estes? 

quarta-feira, 11 de maio de 2016

"Uma Noite Caiu Uma Estrela" de David Machado e Paulo Galindro [Opinião]

Título: Uma Noite Caiu Uma Estrela
Autor: David Machado
Ilustrador: Paulo Galindro
Edição/reimpressão: 2015
Editora: Alfaguara
Temática: Infanto-juvenil
N.º de páginas: 48
Para adquirir:


Sinopse:

Uma noite, cai uma estrela na terra. Um menino resolve guardá-la sem saber que a luz emitida pela estrela vai impedir toda a gente de dormir. É uma história sobre coragem, sobre superação de adversidades, sobre a aventura que é ser-se criança.

Opinião:

Esta é uma história sobre um menino pouco confiante, o Óscar, posto à prova quando uma estrela cai do céu e escolhe ficar com ela, impossibilitando-se de dormir devido à sua permeável e ofuscante luz.

Por um lado, as maravilhosas ilustrações de Paulo Galindro relembram-me o universo de Tim Burton, que muito aprecio, quer pelo traço, quer pelo seu colorido monocromático; já os apontamentos a vermelho trouxeram-me à memória A Lista de Schindler. A história, escrita por David Machado, é simples mas com uma moral bem definida. Excelente para nos lembrarmos que, para se ultrapassarem os medos que nos perseguem e as constantes dificuldades com que nos deparamos, um pouco de coragem basta.

Um livro a que vou sempre 
voltar quando me sentir desesperançada e incrédula quanto ao futuro.

"O importante é que, apesar do MEDO que imediatamente rebentou  dentro do seu peito, o Óscar não foi capaz de resistir ao impulso de segurar a estrela na sua mão. Como todas as crianças, ele sabia que não há nada tão bonito como o brilho das estrelas à noite".

Classificação: 5,0/5*

Sobre o autor:


David Machado nasceu em Lisboa em 1978. É autor do romance O Fabuloso Teatro do Gigante e do livro de contos Histórias Possíveis. Em 2005, o seu conto infantil A Noite dos Animais Inventados recebeu o Prémio Branquinho da Fonseca, da Fundação Calouste Gulbenkian e do jornal Expresso, e desde então publicou mais três contos para crianças, Os Quatro Comandantes da Cama Voadora, Um Homem Verde num Buraco muito Fundo e O Tubarão na Banheira, distinguido com o Prémio Autor SPA/RTP 2010 de Melhor Livro Infanto-Juvenil. Tem livros publicados em Itália e Marrocos e contos presentes em antologias e revistas literárias em Itália, Alemanha, Noruega, Reino Unido, Islândia e Marrocos. Traduziu os livros O Herói das Mulheres, de Adolfo Bioy Casares, e Obrigada pelo Lume, de Mario Benedetti.  Fonte: WOOK


Nascido em 1970 e licenciado em arquitetura, Paulo Galindro é autor de diversos livros ilustrados, feitos em parceria com alguns dos mais importantes escritores nacionais e internacionais, como Luís Sepúlveda, António Mota, David Machado, entre outros. Viu a sua obra premiada por diversas vezes. Juntamente com Natalina Cóias criou o coletivo de ilustração Pintarriscos.  Fonte: BOOKOFFICE

Promoções #3

Esta semana a Wook não pára e hoje temos à disposição:


Condições da campanha:
  • 10% de desconto imediato + 20% de desconto em Cartão Wookmais
  • Nos termos do regime jurídico do Preço Fixo do Livro, o desconto máximo em edições com menos de 18 meses é 10%.
  • Promoção válida em livros, exceto escolares, técnicos e eBooks, em encomendas registadas e pagas nos dias 11 e 12 de maio de 2016.
  • Portes grátis para Portugal continental em CTT Expresso Clássico ou Rede Pickup e 30% de desconto nos envios para as ilhas dos Açores e Madeira, em CTT Expresso Clássico (tipos de envio disponíveis para encomendas até 10 kg).
  • Campanha não acumulável com outras promoções, ofertas ou vantagens do Programa Wookmais.


segunda-feira, 9 de maio de 2016

Promoções #1

A Wook tem um novo look e, para anunciar a novidade, decidiu oferecer um vale de € 5 numa compra de valor igual ou superior a € 15 para as compras realizadas hoje e amanhã e portes grátis até Domingo (15/05/2016):


Já a Leya Online oferece -40% em Policiais, só hoje:


Actualização. E hoje a Bertrand também tem o seu dia especial dedicado às promoções, com 20% a 50% em cartão em todos os livros:


(clicar nas imagens para aceder aos sites)

Passatempo #1: "Dias Perfeitos" de Raphael Montes [TERMINADO]

Como forma de dar a conhecer este novo espaço na blogosfera, decidi realizar o seu primeiro passatempo. Desta forma, será sorteado um exemplar de Dias Perfeitos de Raphael Montes. 

Sinopse: Téo é um solitário estudante de Medicina que divide o seu tempo entre cuidar da mãe paraplégica e examinar cadáveres nas aulas. Durante uma festa, conhece Clarice. Obcecado por ela, começa então uma aproximação doentia, que o leva a tomar uma atitude extrema que estabelece entre o casal uma rotina repleta de tortura psicológica e sordidez. "Dias Perfeitos" é uma história de amor, sequestro e obsessão.

Sobre o autor: Nasceu em 1990, no Rio de Janeiro. Advogado e escritor, publicou contos em diversas antologias de mistério, inclusive na Playboy e na prestigiada revista americana Ellery Queen Mystery Magazine. Suicidas, romance de estreia do autor, foi finalista do prémio Benvirá de Literatura 2010, do prémio Machado de Assis 2012 da Biblioteca Nacional e do prémio São Paulo de Literatura 2013.

Este passatempo não é apoiado por nenhuma editora, já que o exemplar fazia parte da minha biblioteca - mas garanto que está como novo, não se preocupem. 

Leiam as regras que se seguem, preencham o formulário com atenção e boa sorte a todos!

Regras:
1. Só são válidas as participações em que os dados solicitados sejam correctamente preenchidos.
2. Apenas é permitida uma participação por pessoa e por morada (moradas de envio em Portugal Continental e Ilhas).
3. Só são válidas participações de seguidores da página de Facebook e/ou do blogue, que realizem partilha pública do passatempo, tal como solicitado no formulário.
4. O passatempo termina dia 29 de Maio às 23h59m.
5. O vencedor será escolhido aleatoriamente através do mecanismo criado para o efeito pertencente aos formulários Rafflecopter.
6. O vencedor será anunciado no blogue e contactado para o e-mail que indicar no formulário. Tem 72h para responder ao e-mail, caso contrário, será sorteado um novo vencedor.
7. O envio do prémio não representa qualquer custo para o vencedor e a administração do blogue não se responsabiliza por eventuais extravios dos CTT.
8. Caso não concorde com algum dos pontos anteriormente referidos, por favor, abstenha-se de participar.