quinta-feira, 23 de março de 2017

Os blogues que sigo #4: A Viciada dos Livros

Conheci o blogue A Viciada dos Livros recentemente, através de um passatempo no qual eu, a maluquinha dos passatempos de livros, não pude deixar de participar. Assim. aproveitei a oportunidade e convidei a Raquel Bernardes para participar nesta rubrica. 


«A ideia do blog nasceu, depois de ter visto o blog Algodão Doce para o Cérebro, lembrei-me que já tinha lido alguns livros e que gostava que outras pessoas também lessem a minha opinião. Confesso que sou viciada em Livros, Filmes, Séries e é algo que me dá prazer e que também me enche de orgulho ver que o cantinho tem pessoas que seguem, que mandam email a perguntar sobre este ou outro livro, e é gratificante ver a opinião que as pessoas também têm do cantinho e claro que está sempre a inovar.

Eu comecei por ler os livros da Anita e a partir daí não parei de ler, mas o que gostava realmente era de romances, até ao dia em que me aconselharam a ler o 50 Sombras de Grey e claro que passei a juntar a vertente Erótica à lista. Tento ler outras opções literárias, mas nem sempre é do nosso agrado.

Entretanto, convidei a minha comparsa, a Carla Marques, que também é viciada em Livros para se juntar a mim e fazer crescer o cantinho literário enquanto que poderia explorar as outras opções. Criei o cantinho em 2013, por acaso em Março fará 4 anos, mas não tinha grande tempo para o actualizar, em 2016 decidi agarrar no projecto com finco e claro que começou a dar frutos.

Passei a ter a ajuda extra, para além dos seguidores terem aumentado, mas tudo isto não seria possível sem o apoio de outra blogger, a Menina dos Polícias, a Vera Brandão, que me incentivou a continuar e a mudar se calhar algumas coisas. O que pode mudar? Não sei, mas deixo sempre a porta aberta para novas oportunidades, para explorar também outros caminhos. Porque ser viciada é isso mesmo, é descobrir novos horizontes e viciar.»

As suas opiniões concisas sobre livros, séries e filmes de géneros bastante variados merecem o meu destaque. Acompanhem a Raquel e a Carla nas seguintes plataformas:


quarta-feira, 22 de março de 2017

"O Apelo da Selva" de Jack London [Opinião]

Título: O Apelo da Selva
Título original: The Call of the Wild
Autor: Jack London
Tradutora: Maria de Fátima Andrade 
Edição/reimpressão: 2017
Editora: CARDUME EDITORES, LDA. (para Impresa Publishing)
Temática: Romance
N.º de páginas: 128

Sinopse:


Arrancado à doce e pacífica vida que levava numa fazenda da Califórnia, o cão "Buck", metade São Bernardo, metade cão-pastor, é roubado e vendido como cão de trenó. Nas terras selvages do Norte do Canadá, Buck enfrenta a fome, o frio, as lutas com outros cães e os maus tratos sem nunca perder a coragem e a dignidade. Buck acaba por ser esgatado por John Thornton, mas no seu apelo da vida selvagem, que o instiga a rondar livremente pela selva. Esta novela de Jack London, publicada em 1903, revestiu-se de tal sucesso que de imediato foi traduzida em cerca de 90 línguas, sendo reeditada sempre até aos nossos dias.

Opinião:


 No âmbito da inciativa Ler Faz Bem da revista Visão, decidi ler esta obra de Jack London e partilhar a minha opinião de forma diferente: por escrito, como habitual, e por vídeo.

[ ver também aqui ]

Lido numa tarde, o autor não se perde em rodeios e conta uma história poderosa na perspectiva de Buck, o cão traçado de são bernando e cão pastor escocês. Buck parecia destinado a uma vida doméstica, sem percalços além daqueles que encontrasse numa quinta ensolarada em plena Califórnia. Infelizmente, o seu porte possante tenta um dos empregados e Buck acaba por chegar à fronteira com o Canadá, num clima totalmente agreste, depois de vendido para cão de trenó. 


Sujeito às maiores provações, a sua adaptabilidade às circunstâncias foi impressionante: de cão domesticado, torna-se um sobrevivente nato, astuto e líder, evocando a lei do mais forte. O corajoso Buck enfrenta todos os dissabores, mas apenas após a sua prodigiosa transformação num estado totalmente primitivo, encontrará a integração junto dos seus ancestrais.


Esta leitura evocou-me o retrato social de As Vinhas da Ira de John Steinbeck em que, tal como em O Apelo da Selva, se forçam migrações do povo americano devido às condições económico-sociais, ainda que por causas e em períodos diferentes: a seca, durante grande depressão,  e a febre do ouro, iniciada em 1850. Jack London aproveitou, para esta obra, a sua experiência na participação à corrida do ouro (Klondike, no Yukón, Canadá, em 1896). 

Os cães, como todos os animais, são seres sencientes, apenas desconhecemos o alcance da sua percepção da realidade. Ainda assim, o autor deu-lhes voz. Se o ser humano, e assim perdura ao longo de séculos, julga o seu semelhante como objecto mercantil, imaginemos os animais que voz não têm para por si lutar.

Este livro deu-me a esperança de que, desde que estabelecidas com dignidade, as relações entre quaisquer seres vivos só se poderão revestir de respeito e compreensão mútuos.


P.S.: Com esta leitura relembrei-me imediatamente de História de um cão chamado Leal de Luis Sepúlveda, uma história cuja perspectiva é igual - pelos olhos de um cão - e que recomendo vivamente.


Classificação: 4,5/5*

Sobre o autor:

O escritor norte-americano John Griffith London nasceu em 1876, em San Francisco, e faleceu em 1916. Depois de uma infância marcadamente negativa, exerceu todo o tipo de profissões, interessando-se, no entanto, pela leitura e pela escrita desde muito cedo. Publicou novelas em diversas revistas. Da sua vasta obra, destacam-se The Son of the Wolf (1900), The Call of the Wild (O Apelo da Selva, de 1903, obra diversas vezes adaptada para cinema), Martin Eden (1903), Love of Life (1907) e John Baleycorn (1913). Fonte: WOOK 

Mais sobre o autor em: Entre o mistério e a caricatura, quem é Jack London?

terça-feira, 21 de março de 2017

Para o Dia Mundial da Poesia... um poema

José-António Moreira edição e voz | Sons da Escrita | Março 2014

Os gatos 
de Manuel António Pina

Há um deus único e secreto
em cada gato inconcreto
governando um mundo efémero
onde estamos de passagem

Um deus que nos hospeda
nos seus vastos aposentos
de nervos, ausências, pressentimentos,
e de longe nos observa

Somos intrusos, bárbaros amigáveis,
e compassivo o deus
permite que o sirvamos
e a ilusão de que o tocamos

(in Como se desenha uma casa; ed. Assírio & Alvim, 2011) 

segunda-feira, 20 de março de 2017

Promoções #23

Acompanhe estas e outras promoções actualizadas em:

(clique nas imagens para aceder)

WOOK


Bertrand Livreiros


Fnac


Livrarias Almedina


Self Desenvolvimento Pessoal Editora


domingo, 19 de março de 2017

Música ao Domingo #33: Chuck Berry "Roll Over Beethoven"


Chuck Berry performs "Roll Over Beethoven" at the BBC Television Theatre, London on Wednesday 29th March 1972. Backed by Dave Harrison - drums, Billy Kinsley - bass, Jimmy Campbell - guitar, Michael Snow - piano. HD

I'm gonna write a little letter,
gonna mail it to my local DJ
It's a rockin' rhythm record
I want my jockey to play
Roll Over Beethoven, I gotta hear it again today

You know, my temperature's risin'
and the jukebox blows a fuse
You know, my heart's beatin' rhythm
and my soul keeps on singin' the blues
Roll Over Beethoven and tell Tchaikovsky the news

Well, if you feel you like it
go get your lover, then reel and rock it
Roll it over and move on up just
a trifle further and reel and rock it,
one another
Roll Over Beethoven and tell Tchaikovsky the news

[instrumental]

Well, early in the mornin' I'm a givin' you a warnin'
don't you step on my blue suede shoes
Hey diddle diddle, I am playin' my fiddle,
ain't got nothin' to lose
Roll Over Beethoven and tell Tchaikovsky the news

Roll Over Beethoven,
Roll Over Beethoven,
Roll Over Beethoven,
Roll Over Beethoven,
Roll Over Beethoven and tell Tchaikovsky the news

Fonte: ST Lyrics [adaptado]

sábado, 18 de março de 2017

E o vencedor do Prémio Livro do Ano Bertrand é...


Conheça mais sobre a obra aqui. | Recorde os finalistas deste prémio aqui.

O restante top, por ordem de votação:
2.º - Vaticanum de José Rodrigues dos Santos
3.º - O Evangelho segundo Lázaro de Richard Zimler
4.º - Nem todas as baleias voam de Afonso Cruz
5.º - Homens imprudentemente poéticos de Valter Hugo Mãe
6.º - Uma Terra Chamada Liberdade de Ken Follett
7.º - A Espada e a Azagaia de Mia Couto
8.º - Doutor Sono de Stephen King
9.º - Prometo Perder de Pedro Chagas Freitas
10.º - Como Vento Selvagem de Sveva Casati Modignani



terça-feira, 14 de março de 2017

Promoções #22

Acompanhe estas e outras promoções actualizadas em:

(clique nas imagens para aceder)

WOOK


Fnac


Bertrand Livreiros


note.pt


segunda-feira, 13 de março de 2017

"O Jogo do Anjo" de Carlos Ruiz Zafón [Opinião]

Título: O Jogo do Anjo
Título original: El Juego del Angel
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Tradutora: Isabel Fraga
Edição/reimpressão: 2008
Editora: Publicações Dom Quixote
Temática: Romance
N.º de páginas: 568
Para adquirir (a edição mais recente):


Sinopse:

«Na Barcelona turbulenta dos anos 20, um jovem escritor obcecado com um amor impossível recebe de um misterioso editor a proposta para escrever um livro como nunca existiu a troco de uma fortuna e, talvez, muito mais. 

Com deslumbrante estilo e impecável precisão narrativa, o autor de A Sombra do Vento transporta-nos de novo para a Barcelona do Cemitério dos Livros Esquecidos, para nos oferecer uma aventura de intriga, romance e tragédia, através de um labirinto de segredos onde o fascínio pelos livros, a paixão e a amizade se conjugam num relato magistral.»

Opinião:

Após a releitura de A Sombra do Vento, um livro que devorei num ápice, tanto na primeira como na segunda vez, e cuja história continua a fazer parte das minhas favoritas de sempre, confesso que as minhas expectativas para com O Jogo do Anjo estavam nos píncaros. E foi este o estado de espírito que me acompanhou durante praticamente toda a releitura, apesar de salpicada de ligeiras lembranças.

Desde o início que me voltei a sentir deveras fascinada por este ambiente gótico da Barcelona de Zafón que, ao contrário do antecessor, de certo modo mais luminoso, se revelou repleto de uma beleza doentia de trevas, sangue e dor. 


Esta visão é-nos transmitida por David Martín, um escritor de thrillers policiais, sempre atraído pelo que de mais misterioso e oculto existe na cidade de Barcelona. Sendo contratado pelo enigmático patrão, para que produza uma grande obra de intenções e fins duvidosos, David vê-se, tal como nos seus livros, envolvido numa série de crimes e estranhos acontecimentos que o levarão a colocar em causa a sua própria sanidade.

Em comparação com A Sombra do Vento, O Jogo do Anjo quase que perde a sua componente de crítica e retrato histórico-social, não havendo uma personagem tão acutilante como Fermín. Apesar disso, gostei das personalidades contrastantes das personagens femininas, Cristina e Isabella, com pontos com os quais me identifiquei: a primeira, atormentada por uma alma problemática, que não se mostra capaz de lidar com as suas escolhas; a segunda, forte e inspiradora, mas que, tão sensível no seu íntimo, se preocupa mais com os outros.

Fiquei agradavelmente surpreendida pela presença da família Sempere e do Cemitério dos Livros Esquecidos, que tanto tinha apreciado no primeiro livro, conhecendo o avô e a mãe de Daniel, já que, cronologicamente, esta narrativa antecede a de A Sombra do Vento.


Contrariamente à minha primeira leitura, em que julguei o final baço e pouco esclarecedor o seu maior ponto fraco, desta vez não me surgiu esse desagrado. Provavelmente captei melhor alguns pontos ao longo da história que lhe deram sentido.

Quanto a recomendações: se já leram A Sombra do Vento e esperam encontrar exactamente a mesma fórmula, podem sair desiludidos. Porém, O Jogo do Anjo é, sem sombra para dúvidas, da mesma lavra de Carlos Ruiz Zafón e, se gostam de um thriller pleno de suspense, mistério e bastante sobrenatural, esta será uma aposta ganha. 

Uma releitura realizada no âmbito do: 


Classificação: 4,5/5*


Sobre o autor:

Carlos Ruiz Zafón nasceu em Barcelona em 1964. Inicia a sua carreira literária em 1993 com El Príncipe de la Niebla (Prémio Edebé), a que se seguem El Palacio de la Medianoche, Las Luces de Septiembre (reunidos no volume La Trilogía de la Niebla) e Marina. Em 2001 publica A Sombra do Vento, que rapidamente se transforma num fenómeno literário internacional. Com O Jogo de Anjo (2008), O Prisioneiro do Céu (2011) e O Labirinto dos Espíritos (2016) regressa ao Cemitério dos Livros Esquecidos. As suas obras foram traduzidas em mais de quarenta línguas e conquistaram numerosos prémios e milhões de leitores nos cinco continentes. Actualmente, Carlos Ruiz Zafón reside em Los Angeles, onde trabalha nos seus romances, e colabora habitualmente com La Vanguardia e El País. Fonte: WOOK [adaptado]

sábado, 11 de março de 2017

"Com o Riso É que M'Enganas": conferência com Luís Afonso e Bruno Ferreira


No passado dia 9, tive a possibilidade de assistir a uma conferência sobre o tema o Humor na Comunicação, organizada com o objectivo de abordar «“O humor como uma arma poderosa de interação e que torna qualquer discurso mais cativante e positivo, afinal fazer rir estreita ligações e propicia a criatividade.”

Os oradores convidados irão partilhar a sua experiência onde o humor sempre teve um papel importante mostrando através de histórias e exemplos, que o sentido de humor também se aprende e se desenvolve ao longo da vida, contribuindo para uma análise crítica de temas pertinentes e fraturantes da nossa sociedade.»

Com a moderação de Paulo Barrigajornalista e director do jornal Diário do Alentejo, Bruno Ferreira, humorista e imitador, e Luís Afonso, cartoonista, foram os oradores convidados.



Perante a pergunta se o humor é também um fogo que arde sem se ver (a tender para o filosófico), Bruno Ferreira falou sobre a dificuldade de definir o humor, considerando a efemeridade o seu maior entrave. Recomendou o livro de Ricardo Araújo Pereira, A Doença, o Sofrimento e a Morte Entram num Bar, em que o autor aborda a escrita de humor e os diversos recursos humorísticos passíveis de serem utilizados.

Para Luís Afonso, enquanto cartoornista, o processo criativo pode ser doloroso: caso não seja imediato, torna-se inevitavelmente prolongado e esforçado. Além disso, é uma prova cega, ou seja, sendo maioritariamente o seu primeiro e único público antes da publicação, não obtém uma reacção imediata por parte dos destinatários, o que o leva a fazer e refazer o seu trabalho em diversas ocasiões.

Os limites do humor são, segundo Bruno Ferreira, cada vez menores. Porém, tal adveio de um caminho percorrido de longos anos por diferentes humoristas que afastaram tais barreiras. Considera necessário o desprendimento para um criticismo eficaz e, sim, o humor está na moda porque bebe do quotidiano, constituindo a política e o futebol alvos preferenciais, com figuras como Gilberto Madaíl ou Jorge Jesus, que não apreciaram desde logo as suas caricaturas...

Relativamente ao risco do humor opinativo e à transmissão de informação distorcida, Luís Afonso, enquanto jornalista com respeito pelo seu código deontológico, foi levado a alterar o seu método de trabalho, já que o surgimento do meio digital trouxe novas fontes informativas. Para ele, a matéria-prima deve ser respeitada e confirmada a veracidade informação, o que, por vezes, o conduz a uma encruzilhada: o tempo que decorre entre esta confirmação e a sua utilização poderá causar a desactualização, pelo menos em termos humorísticos. Dado que colabora com vários jornais (e com A Mosca para a RTP), admite que, ocasionalmente, reutiliza o mesmo tema, variando consoante o âmbito das publicações.

Já para o nosso imitador, existe um acordo tácito entre quem cria e quem consome o humor: sabe-se que estará implícita, ainda que nem sempre de forma explícita, uma opinião. Além do mais, a caricatura consiste no aproveitamento e exagero de determinadas características, pelo que nem sempre é totalmente verídica.

Tal como noutra áreas, no humor existem igualmente modas: encontramo-nos no período áureo de figuras como Ricardo Araújo Pereira e Bruno Nogueira, mas o exemplo mais visível da oscilação é o de Herman José. Existe actualmente espaço para vários tipos de humor, incluindo o negro ou o inteligente e, mesmo neste, a piada parva pode surgir. Quanto a estarmos perante uma overdose de humor nos meios de comunicação, a sua presença só se mantém dependendo do feedback e, claro, da moda.

E se rir dá saúde e faz bem, estariam os nossos oradores conscientes de que estão a dar saúde? Entre nos dizer que rir provoca a libertação de endorfinas, o aumento do fluxo sanguíneo, o treino dos abdominais e o facto de 1 minuto de riso ser equivalente a 45 minutos de relaxamento, entre outros benefícios inegáveis, Bruno Ferreira não deixou margem para dúvidas.

Resta o agradecimento por uma tarde bem passada e pelo privilégio de ouvir uma nova versão de Taras e Manias de Marco Paulo, desta feita interpretada por Passos Coelho. 😂

quarta-feira, 8 de março de 2017

"Os Olhos de Allan Poe" de Louis Bayard [Opinião]

Título: Os Olhos de Allan Poe
Título original: The Pale Blue Eye
Autor: Louis Bayard
Tradutor: José Remelhe
Edição/reimpressão: 2011
Editora: Edições Saída de Emergência
Temática: Thriller histórico
N.º de páginas: 416

Sinopse:

Corre o ano de 1830. Na Academia de West Point, a tranquilidade de um final de tarde de Outubro é perturbada pela descoberta do corpo de um jovem cadete enforcado junto ao recinto da formatura. Não é a primeira vez que se verifica um aparente suicídio num regime ríspido como o de West Point, mas, na manhã seguinte, constata-se um abominável acto ainda mais grave. Alguém assaltou o quarto onde o cadáver repousava e levou o coração. Desesperada para evitar publicidade negativa, a academia contrata os serviços de Augustus Landor, ex-detective de renome. Viúvo, e atormentado no seu isolamento, Landor decide aceitar o caso. Nos interrogatórios iniciais, descobre um caprichoso e curioso jovem cadete com propensão para a bebida e com um passado sombrio. O nome desse cadete? Edgar Allan Poe. Impressionado pelos astutos poderes de observação de Poe, Landor está convencido de que o poeta lhe pode ser útil - caso consiga permanecer sóbrio o tempo suficiente para colocar em acção os seus perspicazes poderes de raciocínio. Trabalhando em estrita colaboração, os dois homens desenvolvem um relacionamento surpreendentemente profundo à medida que a investigação os conduz a um oculto mundo de sociedades secretas, rituais de sacrifício e mais cadáveres. Porém, os macabros homicídios e o passado secreto de Landor ameaçam afastar os dois e terminar com a sua recente amizade.

Opinião:

Em Os Olhos de Allan Poe, a história tem como pano de fundo a academia militar de West Point, pelo ano de 1830. Neste local ocorre uma morte peculiar, assumindo contornos tenebrosos quando o cadáver desaparece e é posteriormente encontrado com o coração extraído.

Para a investigação deste caso é destacado Landor, um investigador reformado, residente nas redondezas desde há alguns anos, que terá como objectivo descobrir os culpados e salvaguardar o bom nome desta instituição militar. E quem, se não Edgar Allan Poe, poderia ser o seu escolhido para ajudante nestas investigações? Todos poderão ser o criminoso: entre oficiais, funcionários e cadetes, há desconfianças de sobra.

Os thrillers históricos, ao invés de contemporâneos, têm despertado o meu interesse e a presença deste Allan Poe, como personagem deste enredo, ainda mais o cativou. Tendo em conta a minha leitura de Todos os Contos, curiosa fiquei com este título e possíveis informações que desta leitura pudesse extrair.

O autor, aproveitando o desconhecimento de vários aspectos da vida de Allan Poe, reclamou-o como uma das suas personagens. Desta forma, surge nesta narrativa como um jovem na casa dos vinte, culto, eloquente, sagaz e imaginativo. Apresenta, porém, uma faceta perturbada devido à morte da mãe na infância, que continua a venerar, e pela relação conflituosa com o pai adoptivo. Integra a academia de West Point após passagens atribuladas pelas vidas universitárias e militar, com o estigma de problemático e errático. Nesta fase, a sua produção literária tende para a poesia e a sua imensa cultura, evidenciada pelo seu discurso, encontra-se totalmente deslocada no meio académico de West Point, sendo, ao invés de valorizado, marginalizado pelos colegas.

Acompanharemos Landor e Poe nas suas investigações pouco ortodoxas, num crescendo de mistério e suspense, perfeitamente levado a cabo pelo autor Louis Bayard. Os culpados e a conclusão parecem evidentes, todavia, de que forma nos enganamos, e este final não desilude pela previsibilidade que inicialmente aparenta, muito longe disso.

Constituindo esta leitura um caso em que a ficção tomou posse da realidade, a personagem criada é tão palpável que, no fim, só desejamos que corresponda à histórica.

Classificação: 4,5/5*

Sobre o autor:
Segundo o Washington Post, com os seus três romances mais recentes, Mr. Timothy, Os Olhos de Allan Poe e The Black Tower, Louis Bayard ascendeu "ao topo da liga do thriller histórico". Notável autor do New York Times, foi nomeado para os galardões Edgar e Dagger e considerado um dos principais autores do ano pela revista People.

Louis é também um ensaísta e crítico reconhecido a nível nacional cujos artigos foram publicados no New York Times, no Washington Post, no Los Angeles Time, no Huffington Post, Salon, Nerve.com e no Preservation. Entre outros romances da sua autoria incluem-se Fool's Errand e Endangered Species. Deu o seu contributo para as antologias The Worst Noel e Maybe Baby (HarperCollins) e 101 Damnations (St. Martin's). Fotografia: Goodreads

terça-feira, 7 de março de 2017

Promoções #21

Acompanhe estas e outras promoções actualizadas em:

(clique nas imagens para aceder)

WOOK


Bertrand Livreiros


Fnac


Edições Saída de Emergência


Livrarias Almedina


LeYa Online